Saúde e Bem-estar

Quais os riscos de consumir álcool na gravidez?

Dicas de saúde, Obstetrícia

Quais os riscos de consumir álcool na gravidez?

O consumo de álcool na gravidez implica em riscos maternos e, principalmente, fetais. Portanto, é preciso reforçar que não existe quantidade segura para a ingestão de bebidas alcoólicas, seja para quem está grávida ou tentando engravidar. Segundo as sociedades médicas, isso vale para todas as opções, incluindo vinho e cerveja.

Neste artigo, entenda porque, quando se trata de álcool na gravidez, a tolerância é zero. Boa leitura!

Como o álcool age no organismo da mulher?

É fato: as mulheres estão bebendo mais. O chamado consumo abusivo de álcool entre elas aumentou 4,25%, entre 2010 e 2020.

Esse hábito provoca uma série de problemas de saúde, os quais vão de infertilidade à cirrose hepáticadoenças cardiovasculares e até alguns tipos de neoplasias, como o câncer colorretal. Isso sem falar na dependência química (alcoolismo) e seus decorrentes transtornos físicos e psíquicos.

Quais os riscos de consumir álcool na gravidez?

Quais são os riscos do consumo de álcool na gravidez, especificamente?

Como mencionado, a ingestão de álcool é extremamente comum entre as mulheres em idade reprodutiva. Isso faz dele um importante agente teratogênico, ou seja, causador de desenvolvimento pré-natal anormal, cujas consequências são irreversíveis.

Vale destacar que, nas gestantes, os efeitos deletérios não se limitam às primeiras semanas, mas ocorrem em qualquer idade gestacional. De maneira geral, a exposição ao álcool no primeiro trimestre está associada a anomalias faciais e problemas estruturais.

Já no segundo trimestre, relaciona-se ao risco de aborto espontâneo. Por fim, no terceiro trimestre, provoca alterações de crescimento, bem como pode levar ao parto prematuro.

Uma vez presente no sangue materno, o álcool passa para o feto por meio do cordão umbilical. Isso pode provocar diversos tipos de deficiências físicas, comportamentais e intelectuais irreversíveis — os chamados transtornos do espectro alcoólico fetal (TEAF).

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, os TEAF são uma das principais causas de atrasos no neurodesenvolvimento. Em suas formais mais leves, eles podem provocar:

  • baixo peso ao nascer;
  • problemas de audição e de visão;
  • alterações repentinas de humor;
  • falta de memória e de atenção;
  • características faciais anormais
  • dificuldade de controle comportamental.

No mais, os TEAF prejudicam as habilidades de aprendizagem, a capacidade de comunicação, o equilíbrio emocional, entre outras questões. Dessa forma, afetam não apenas a infância, mas têm consequências a longo prazo.

Portanto, se você ingeriu álcool na gravidez (por exemplo, antes de descobrir que estava gestante), compartilhe essa informação com seu obstetra. Ele irá orientá-la sobre como adotar uma rotina saudável, acompanhando a evolução da gestação com todo zelo e atenção.

O que é a chamada síndrome alcoólica fetal?

síndrome alcoólica fetal (SAF) é uma das sequelas graves provocadas pelos TEAF. Estima-se que sua incidência fique entre 0,6 e três casos a cada mil nascidos vivos, os quais podem apresentar:

  • alterações na face (como lábios finos e pálpebras pequenas);
  • deficiências físicas (como malformações das mãos e dos pés);
  • redução do crescimento (intrauterino e/ou posterior ao nascimento);
  • lesões no sistema nervoso central, ligadas a distúrbios de neurodesenvolvimento (incluindo retardo mental leve a moderado).

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), quando o bebê não apresenta as características faciais que permitem diagnosticar a SAF ao nascer, essa se manifesta na fase escolar. Assim, a criança terá problemas de aprendizagem, de comportamento, entre outros.

O que fazer em caso de alcoolismo na gestação?

O primeiro passo é deixar o preconceito de lado e encarar a realidade para buscar ajuda adequada. As  gestantes que bebem álcool na gravidez podem pertencer a qualquer classe socioeconômica, idade e raça. Para complicar, muitas vezes o hábito é associado ao uso de drogas ou outras substâncias nocivas.

Nesses casos, o acompanhamento pré-natal precisa ser conduzido por uma equipe multidisciplinar altamente capacitada, capaz de reconhecer o problema e:

  • encorajá-las a entender os efeitos prejudiciais do álcool, bem como demais vícios, na gestação;
  • orientá-las acerca das estratégias de cessação, as quais variam conforme o quadro individual;
  • quando necessário, indicar programas específicos para o(s) respectivo(s) tratamento(s).

Felizmente, pessoas grávidas são altamente motivadas a mudar comportamentos em benefício de seus filhos. Além disso, nunca é tarde para interromper o uso de álcool na gravidez, o que reflete de forma imediatamente positiva na saúde e bem-estar do bebê. Afinal, os efeitos da exposição pré-natal ao álcool variam não apenas em relação à idade gestacional e ao padrão de consumo, mas também em função do tempo de exposição.

Para concluir, o melhor conselho para as futuras mamães é: interrompa o consumo de bebidas alcoólicas quando começar a tentar engravidar. Como mostrado, o uso de álcool na gravidez pode provocar deficiências físicas e/ou distúrbios de neurodesenvolvimento, os quais afetam o indivíduo por toda a vida.

Achou o conteúdo interessante? Aproveite para seguir o Espaço Binah no Facebook e no Instagram e confira uma série de dicas de cuidados e orientações sobre com a saúde feminina!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023