Saúde e Bem-estar

DIU: o que é, tipos, vantagens e cuidados

Atualizado em: 22/02/23 | Ginecologia

DIU: o que é, tipos, vantagens e cuidados

No momento de escolher o método contraceptivo para o seu planejamento familiar, é comum que apareçam muitas questões sobre cada um deles. No caso do DIU, por exemplo. ainda existem dúvidas sobre as suas vantagens e cuidados necessários durante o uso.

Este dispositivo tem sido cada vez mais escolhido pelas mulheres e não é à toa. Além de prático e cômodo, ele apresenta um baixíssimo índice de falha, como mostraremos em detalhes neste artigo. Siga com a gente para saber mais sobre o DIU, seus tipos e indicações.

O que é o DIU?

O DIU, ou dispositivo intrauterino, é um método contraceptivo reversível e de longo prazo. Formado por uma pequena estrutura em formato de “T” ou “Y”, ele é colocado, por um médico, no interior do útero da mulher e é, atualmente, o método mais utilizado — em função de suas características que unem alta eficácia e segurança, facilidade de uso e baixo custo.

Existem dois tipos de DIU. Ambos impedem a fecundação ao não permitir o contato dos espermatozoides com o óvulo. Isso se dá através da liberação de substâncias — hormonais ou não — que inibem a movimentação dos gametas masculinos e femininos dentro do útero.

Quais os índices de eficácia do DIU?

A eficácia do DIU, assim com o seu tempo de duração são diferentes de acordo com o tipo de dispositivo e até a idade da mulher. Segundo estudos recentes, o DIU não hormonal chega a permanecer no corpo por 10 anos sem reposição e apresenta um risco de falha que pode variar de 0,5% a 0,8%.

Já no caso do DIU hormonal, ele pode ter eficácia por até 5 anos. Neste tipo, o risco de falha cai para apenas 0,2%. De maneira geral, os dois tipos apresentam uma eficácia superior aos 99%, com taxa de gravidez inferior a 1 a cada 100 mulheres por ano.

Quais os tipos de DIU e suas características?

Falamos há pouco que a eficácia e a duração do DIU varia de acordo com o seu tipo. Mas, enfim, quais são eles? Apesar de terem a mesma finalidade, os dois tipos de DIU, possuem composição e funcionamento distintos, como mostramos abaixo:

DIU não hormonal

Este tipo é também conhecido como DIU de cobre ou de prata. Isso porque, apesar de ter estrutura feita em plástico, ele é revestida com um desses metais (ou ambos). O DIU não hormonal evita a fecundação por liberar pequenas quantidades destes materiais do revestimento no útero, gerando uma reação inflamatória crônica.

Essa condição promove uma ação espermicida, além de diminuir a atividade do óvulo e bloquear a passagem dos espermatozoides para o local. Isso ocorre por conta das mudanças no muco cervical e no tecido do interior do órgão.

  • Indicações: recomendado para lactantes e mulheres que possuem contraindicação ao uso de hormônios;
  • Vantagens: possui poucos efeitos colaterais sistêmicos. Não causa aumento de peso e, geralmente, não afeta o humor nem a libido;
  • Desvantagens: pode intensificar o fluxo e as cólicas menstruais.

DIU hormonal

Ao contrário do DIU não hormonal, este dispositivo tem sua eficácia garantida pela liberação local da progesterona. Com isso, o endométrio (parte interna do útero) fica fino e inapto para gestação, além de tornar o muco do colo do útero mais espesso, formando uma espécie de tampão, que impede a entrada dos espermatozoides na cavidade uterina. Caso passe por esse tampão a motilidade dos espermatozóides também fica prejudicada.

  • Indicações: adequado para mulheres que precisam tratar a endometriose ou controlar o fluxo menstrual intenso;
  • Vantagens: compatível com a amamentação, ele ajuda a diminuir cólicas e fluxo menstrual, auxilia o equilíbrio hormonal no período pré-menopausa e pode proteger contra o câncer de endométrio e ovário. Menor nível sanguíneo de hormônio quando comparado às pílulas.
  • Desvantagens: apesar de menos frequente do que nas pílulas, também pode causar dores de cabeça, nos seios, perda do desejo sexual, leve aumento de peso e atraso de menstruação.

Quais as contra-indicações do DIU?

Acabamos de mostrar algumas vantagens e desvantagens dos dois tipos de DIU. Para além de avaliar esses pontos, é preciso saber se o método tem alguma contraindicação, baseando-se nas condições de saúde de cada mulher.

De modo geral, podemos adiantar que esse método apresenta algumas contra-indicações. O DIU hormonal, por exemplo, não deve ser adotado por mulheres que tiveram câncer de mama nos últimos 5 anos ou que tenham doenças hepáticas, infecção no interior do trato genital, câncer de útero ou de fígado.

No caso do não-hormonal, ele deve ser evitado por mulheres que com problemas na coagulação ou quem tem fluxo menstrual intenso e costuma ter cólicas no período. Além disso, é preciso descartar a alergia ao cobre ou prata.

Quais os cuidados no uso do DIU?

O primeiro e fundamental cuidado para quem pretende utilizar o DIU é passar por uma consulta ginecológica com um especialista. Isso é fundamental tanto para investigar as condições de saúde, pois apenas um médico qualificado pode implantar o DIU.

Depois de avaliar se esse contraceptivo é a melhor opção, vai ser preciso definir qual dos tipos de DIU é o mais indicado para você. É muito importante respeitar todas as etapas desse processo para evitar riscos de saúde e descontentamento futuro com o método escolhido.

Se você pretende adotar este como o seu método anticoncepcional, pode contar o Espaço Binah. Entre em contato com a nossa equipe e agende sua consulta de avaliação! Esperamos por você.

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023