Saúde e Bem-estar

Tire suas dúvidas sobre o cordão umbilical

Atualizado em: 14/04/23 | Dicas de saúde

Tire suas dúvidas sobre o cordão umbilical

Você sabia que esperar alguns minutos para fazer o corte do cordão umbilical favorece a saúde do recém-nascido e não prejudica a saúde materna? No entanto, muita gente desconhece a importância desse anexo embrionário e as vantagens do clampeamento tardio, tanto no parto natural como na cesariana.

Neste artigo, explicamos tudo que você precisa saber a respeito. Continue a leitura e esclareça suas dúvidas!

Qual é a função do cordão umbilical?

O cordão umbilical tem duas artérias e uma veia. As primeiras carregam o sangue desoxigenado do feto para a placenta e a segunda leva sangue oxigenado da placenta para o feto. Assim, sua função é fornecer fluxo vascular entre o feto e a placenta, ao longo da gestação.

No parto natural, o cordão umbilical têm, em média, 1,5 cm de diâmetro e 3,6 cm de circunferência. Cordões muito espessos ou finos estão associados ao aumento do risco de patologias.

Como deve ser o corte do cordão umbilical?

Após o nascimento, o cordão umbilical é preso por duas pinças e cortado entre elas. Caso haja o desejo, o acompanhante pode fazer a secção, mesmo na cesariana.

Entre a primeira e a segunda semana de vida, o coto remanescente cai sozinho, dando origem ao umbigo. Até lá, ele deve ser mantido limpo e seco.

O que é o chamado clampeamento tardio?

Ao longo dos anos, uma série de ensaios clínicos e revisões sistemáticas foram realizadas para determinar o momento ideal para o clampeamento. O objetivo é fazer a secção do cordão umbilical da forma mais benéfica possível para o recém-nascido.

Assim, a Organização Mundial da Saúde (OMS) define como clampeamento tardio o procedimento realizado entre um e três minutos após o nascimento. Isso, no entanto, vale apenas para os recém-nascidos (a termo ou prematuros tardios) com boa vitalidade, ou seja, que não necessitaram de reanimação.

Já para os prematuros com menos de 34 semanas e boas condições clínicas, o corte do cordão umbilical deve ser feito depois de 30 segundos. Não existem evidências científicas que justifiquem o campleamento imediato, ou seja, realizado entre 10 a 15 segundos após o parto.

Quais são os benefícios do clampeamento adequado?

Nos primeiros minutos após o parto, ainda existe circulação entre o recém-nascido e a placenta, por meio das veias e artérias umbilicais. Por isso, o momento do clampeamento afeta, diretamente, a transfusão placentária.

Estudos mostram que ao aguardar, pelo menos, três minutos para pinçar o cordão, há um aumento de aproximadamente 50% do volume de sangue no recém-nascido. Essa transfusão aumenta a pressão sanguínea pulmonar do bebê, sendo diretamente responsável pelo estabelecimento da respiração extrauterina.

Além disso, a espera aumenta a transfusão de células-tronco, o que talvez explique o favorecimento das reservas de ferro no lactente. Isso, por sua vez, é essencial para prevenir a anemia na infância. Ao mesmo tempo, não há evidências de complicações maternas devido ao tempo de espera.

O momento de cortar o cordão umbilical é diferente no parto natural e na cesariana?

Não necessariamente. Na assistência humanizada ao parto natural, se não houver contraindicação, a mulher pode escolher se a secção do cordão umbilical ocorrerá um ou cinco minutos após o nascimento.

Já na assistência humanizada à cesárea, quando o bebê apresenta boas condições clínicas, ele é mantido por alguns minutos sentado dentro do útero. Isso é feito, justamente, para prolongar a pulsação do cordão umbilical.

Baixe o e-book: Guia completo do parto humanizado

Quais são as contraindicações ao clampeamento tardio?

Entre os impedimentos para o clampeamento tardio, pode-se citar as alterações na respiração e/ou no tônus neonatal, bem como a presença de líquido meconial. Além disso, mulheres portadoras do vírus HIV ou HTLV, entre outras condições de risco materno-fetal, também não devem demorar para fazer a secção.

Quais são os cuidados com o coto umbilical?

Para fazer a higiene, os especialistas recomendam lavá-lo, diariamente, com água e sabão ou limpá-lo com álcool 70%. Em prematuros, indica-se a higienização com soro fisiológico.

Um detalhe importante: após a limpeza, o coto deve ficar descoberto até sua secagem completa. Depois, deve-se cobri-lo com gaze.

Para reduzir o risco de infecções, é imprescindível que a mãe ou a pessoa que irá manipulá-lo esteja com as mãos muito bem lavadas. Além disso, recomenda-se trocar as fraldas com frequência, sempre após a micção e a evacuação.

Esperamos que o papel do cordão umbilical no nascimento tenha sido esclarecido. Na assistência humanizada ao parto e nascimento, defende-se o mínimo de intervenções possíveis. Dessa forma, sempre que possível, o clampeamento deve ser tardio!

Caso ainda tenha dúvidas sobre o assunto, sinta-se à vontade para entrar em contato. A equipe do Espaço Binah está à disposição!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023