Saúde e Bem-estar

O que é histeroscopia e como é realizada a cirurgia?

Atualizado em: 23/06/23 | Dicas de saúde

O que é histeroscopia e como é realizada a cirurgia?

Você sabe o que é histeroscopia? Trata-se de um procedimento inovador e pouco invasivo, que permite examinar o interior do útero e diagnosticar ou tratar diversos problemas no sistema reprodutivo feminino.  Ao substituir técnicas antigas, como a dilatação e a curetagem, proporciona resultados mais precisos e com menos desconforto.

Neste artigo, iremos explorar em detalhes o que você precisa saber sobre histeroscopia. Vamos discutir as principais indicações dessa cirurgia ginecológica e destacar seus benefícios exclusivos. Acompanhe a leitura e descubra tudo o que você precisa saber sobre esse avanço médico!

O que é histeroscopia?

A histeroscopia é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo que se assemelha à endoscopia e é indicado para o diagnóstico e/ou tratamento de uma variedade de distúrbios e doenças benignas. Essas condições afetam o canal cervical, a cavidade uterina e a comunicação com as tubas. Entre os sintomas mais comuns que levam à sua realização estão dores pélvicasperíodos menstruais prolongados e/ou intensos, sangramentos vaginais anormais, entre outros.

Além disso, a histeroscopia pode ser recomendada para tratar miomas, pólipos uterinos e aderências uterinas, que são tecidos cicatriciais decorrentes de cirurgias ou infecções prévias. Também pode ser utilizada para investigar casos de infertilidade, abortos recorrentes sem causa aparente e resultados anormais em exames como Papanicolau, histerossalpingografia e biópsia endometrial.

Por fim, a histeroscopia é uma opção para remover dispositivos intrauterinos (DIU) retidos ou deslocados, conhecidos como DIUs “perdidos” (sem o fio visível). É um procedimento seguro e eficaz para solucionar essa situação.

Para saber mais sobre a técnica, acesse nosso conteúdo sobre Histeroscopia cirúrgica.

Como o procedimento é realizado?

A histeroscopia oferece a conveniência de poder ser realizada tanto no consultório médico, com equipamentos adequados, quanto em ambiente hospitalar. Esse procedimento pode ser realizado com ou sem anestesia e fora do período menstrual. Basicamente, consiste na inserção de um histeroscópio (tubo de visualização fino e longo, equipado com luz e câmera na ponta), através do canal vaginal e do colo do útero.

O histeroscópio desempenha um papel crucial ao capturar imagens da área em análise e transmiti-las para um monitor, permitindo que o especialista as examine detalhadamente. É importante ressaltar que o equipamento também permite a introdução de todos os instrumentos necessários para diferentes finalidades durante o procedimento, tais como:

  • coleta de amostras de tecido para biópsia;
  • selagem com eletrocauterização (usando ondas de calor);
  • remoção cirúrgica de anomalias, como miomas ou pólipos.

Vale destacar que a histeroscopia não requer cortes. Porém, é necessário dilatar o colo do útero, para permitir a passagem do histeroscópio, e inflar a cavidade uterina com um líquido.

O que a diferencia das demais cirurgias ginecológicas?

Uma vez que já explicamos o que é a histeroscopia, vamos destacar seus diferenciais e benefícios. A principal vantagem desse procedimento cirúrgico ginecológico é a sua rápida execução, levando, em média, apenas 30 minutos. Além disso, a recuperação costuma ser mais ágil em comparação a outras técnicas cirúrgicas.

A histeroscopia também se destaca por sua precisão, permitindo que o diagnóstico e o tratamento sejam realizados simultaneamente, evitando a necessidade de intervenções separadas para resolver o problema. Isso traz mais praticidade e agilidade no cuidado da saúde feminina.

Outro aspecto positivo é que a técnica dispensa cuidados especiais no pós-operatório, o que significa que a rotina da mulher não será drasticamente afetada. A maioria das mulheres que recebem anestesia geral consegue ir para casa após duas a quatro horas, embora algumas possam ficar um pouco mais. É importante ter um adulto responsável para levá-la para casa e acompanhá-la por 24 horas.

No que diz respeito ao conforto pós-operatório, algumas mulheres podem experimentar uma sensação semelhante às cólicas menstruais leves. Para aliviar essa dor, geralmente, recomenda-se o uso da medicação habitualmente utilizada para tratar cólicas menstruais.

É comum também haver um leve sangramento nos dias seguintes ao procedimento. Para controlá-lo e evitar riscos de infecção, indica-se o uso de absorventes externos convencionais, enquanto absorventes internos não são recomendados.

Onde realizar uma histeroscopia em Florianópolis?

Agora que você sabe o que é histeroscopia e conhece seus diferenciais, caso precise realizá-la, conte com a equipe experiente e altamente especializada do Espaço Binah. Somos uma clínica de referência em cirurgias ginecológicas e estamos localizados em uma região de fácil acesso, em Florianópolis, SC.

Então, já sabe, entre em contato, venha nos conhecer e faça uma avaliação individualizada. Estamos à disposição!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023