Saúde e Bem-estar

Gravidez de risco: tire suas dúvidas sobre o assunto

Obstetrícia

Gravidez de risco: tire suas dúvidas sobre o assunto

Ainda que a gestação seja um fenômeno saudável, para um pequeno grupo de mulheres, com características específicas, existe a probabilidade de evolução desfavorável. Trata-se da chamada gravidez de alto risco — ou, simplesmente, gravidez de risco. Nesses casos, mãe e filho precisam de um cuidado ainda mais próximo, criterioso e especializado.

Neste artigo, explicamos mais sobre essa condição. Veja, também, a importância de realizar o pré-natal com um ginecologista especialista nesse tipo de acompanhamento. Boa leitura!

O que é considerado gravidez de risco?

Gravidez de risco é aquela em que a vida ou a saúde da mulher e/ou do feto (ou do recém-nascido) têm maiores chances de sofrer complicações. Para ser classificada como tal, os médicos consideram uma série de marcadores e fatores, tais como:

  • idade materna menor do que 15 anos (ou ocorrência de menarca há menos de dois anos);
  • altura materna inferior a 1,45 m;
  • peso materno pré-gestacional inferior a 45 kg;
  • índice de massa corpórea (IMC) materno superior a 30;
  • situação conjugal insegura ou conflitos familiares;
  • dependência de álcool, cigarro e/ou drogas ilícitas;
  • exposição a riscos ocupacionais (excesso de esforço físico, exposição a agentes tóxicos, entre outros);
  • histórico reprodutivo anterior com complicações (abortamento, morte perinatal, parto prematuro, recém-nascido com crescimento restrito ou malformação, infertilidade, entre outros);
  • anormalidades estruturais no aparelho reprodutivo;
  • hipertensão arterial;
  • cardiopatias;
  • pneumopatias;
  • nefropatias;
  • endocrinopatias (como diabetes e doenças da tireoide);
  • hemopatias;
  • ginecopatias;
  • neoplasias;
  • epilepsia;
  • doenças infecciosas (como infecção do trato urinário e infecções sexualmente transmissíveis);
  • doenças autoimunes (como o lúpus eritematoso sistêmico);
  • cirurgia uterina anterior;
  • diabetes gestacional;
  • pré-eclâmpsia e eclâmpsia;
  • hemorragias;
  • alterações de volume de líquido amniótico;
  • doença obstétrica atual; entre outros.

Como investigar todos esses fatores?

Para resumir, a presença de doenças crônicas prévias ou identificadas durante a gestação pode indicar que se trata de uma gravidez de risco elevado. O mesmo vale para as mulheres que tiveram uma gestação anterior classificada como tal.

Assim, a ocorrência de um ou mais marcadores e fatores de risco precisa ser investigada na assistência pré-natal. Isso pode ser feito por meio da anamnese, exame físico geral, exame gineco-obstétrico e/ou exames complementares.

Muitas vezes, como prevenção, é necessário:

  • aumentar a frequência das consultas de rotina, reavaliando o grau de risco a cada encontro;
  • iniciar um tratamento específico, pois a intervenção, quando precisa e precoce, evita problemas maiores.

Nesses casos, como deve ser a assistência pré-natal?

Como explicado, a prevenção, detecção e controle precoces de intercorrências na gestação de risco alto são essenciais para a saúde e bem-estar materno e fetal. Assim, seu seguimento busca reduzir as chances de complicações.

Para isso, a gestante deve ser informada e orientada, inclusive, sobre as mudanças necessárias nos hábitos de vida. No mais, as consultas do pré-natal devem conter:

  • avaliações clínicas completas, por meio da análise do histórico pessoal e dos resultados dos exames;
  • análises obstétricas assertivas, com o estabelecimento preciso da idade gestacional e acompanhamento da sua evolução (em relação ao crescimento e às condições de maturidade e vitalidade fetal);
  • observação das repercussões das condições clínicas da mulher na gestação e vice-versa;
  • indicação da via de parto e do momento mais adequado para realizá-lo;
  • um olhar atento aos aspectos emocionais e psicossociais envolvidos, os quais podem levar ao aumento da ansiedade e suas consequências negativas, entre outros distúrbios.

Existem ginecologistas especialistas em gravidez de alto risco?

Sim! O Dr. Pablo de Queiroz Santos, ginecologista e obstetra do Espaço Binah, é instrutor do Advanced Life Support in Obstetrics (ALSO). Como tal, ele busca:

  • padronizar as condutas e os procedimentos realizados em situações de emergência e urgência, implementando sempre as melhores evidências científicas;
  • melhorar a qualidade da assistência à mulher e otimizar o desempenho dos profissionais envolvidos no pré-natal e no parto;
  • reduzir a morbidade e a mortalidade materno-infantil, bem como as complicações neonatais.

Mas, os cuidados não param por aí. Aqui, reunimos um corpo clínico multidisciplinar e humanizado, garantindo todo o cuidado e acolhimento necessários. Assim, além dos obstetras altamente qualificados, ainda contamos com nutricionista e enfermeira obstétrica. Dessa forma, se estiver em Florianópolis (SC), conte conosco para oferecer todo o suporte necessário à gravidez de risco!

Esperamos que o conteúdo tenha sido útil. Para conferir outras dicas e orientações, siga o Espaço Binah no Facebook e Instagram!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023