Saúde e Bem-estar

Grávida vegana: dicas para manter o equilíbrio nutricional

Nutrição funcional

Grávida vegana: dicas para manter o equilíbrio nutricional

alimentação saudável é essencial na gestação. Por outro lado, a subnutrição e a supernutrição (ambiente obesogênico) são associadas a resultados adversos. Dessa maneira, a grávida vegana precisa de uma dieta equilibrada e suplementação oral, de modo a garantir que as necessidades desta fase sejam devidamente supridas.

Neste artigo, mostramos como isso é possível, destacando o papel da nutrição funcional. Se você não consome produtos de origem animal e está gestante ou pretende engravidar em breve, vale a pena conferir!

Quais cuidados a grávida vegana precisa ter?

Durante a gravidez, a fisiologia da mulher muda e as exigências nutricionais aumentam. Por isso, é preciso ter uma ingestão de macronutrientes e micronutrientes adequada ao período.

Considerando que o estado nutricional materno é um fator de risco modificável para uma série de problemas, deve-se avaliá-lo, monitorá-lo e promover as melhorias necessárias. Do contrário, corre-se o risco de ocorrerem efeitos maternos e fetais adversos, tais como:

  • diabetes gestacional;
  • anomalias congênitas;
  • parto prematuro;
  • baixo peso ao nascer;
  • comprometimento do desenvolvimento neurocognitivo;
  • maior tendência a desenvolver doenças nas células ao longo da vida.

Além disso, como toda mulher, recomenda-se que a grávida vegana esteja com o índice de massa corporal (IMC) adequado e um estado nutricional saudável quando for conceber. Afinal, isso ajuda na recuperação do parto e no aleitamento.

Como deve ser a dieta de uma gestante vegana?

Muitas gestantes têm problemas relacionados à má alimentação, pois consomem opções ultraprocessadas em excesso e menos do que o recomendado de vegetais e produtos lácteos. Para boa parte delas, isso explica o ganho de peso excessivo e a carência de micronutrientes essenciais, principalmente, ferro e folato.

As gestantes veganas, por outro lado, têm a vantagem de saber fazer boas escolhas alimentares. O “perigo”, no caso delas, é não ter uma dieta suficientemente equilibrada do ponto de vista nutricional. Geralmente, há deficiência de vitamina B12, ferro, zinco e iodo.

Assim, a grávida vegana pode continuar se alimentando à base de legumes, verduras, leguminosas, cereais, tubérculos, raízes, frutas e algas marinhas. Porém, precisa investigar e suprir eventuais carência nutricionais, essenciais ao crescimento e desenvolvimento fetal, bem como à prevenção de complicações maternas.

Quais são os riscos da deficiência nutricional na gestação?

As dietas veganas sem acompanhamento especializado tendem a se tornar desequilibradas. Com isso, podem provocar danos à saúde da gestante e do bebê, tais como:

  • anemia perniciosa (materna, fetal e neonatal), abortamento, parto prematuro, pré-eclâmpsia, baixo peso e crescimento, defeitos do tubo neural, anencefalia, entre outros, no caso da hipovitaminose de vitamina B12 (encontrada nas algas marinhas);
  • anemia ferropriva materna e fetal, taquicardia, dispneia, palidez, entre outros, devido à deficiência de ferro (encontrado nas algas marinhas, feijões, lentilhas, soja, grão-de-bico, folhas verde-escuras, castanhas e grãos integrais);
  • aborto espontâneo, atraso no crescimento intrauterino, prematuridade, malformações fetais, entre outros, por conta dos baixos níveis de zinco (encontrado em legumes e cereais integrais);
  • abortamento, hipotireoidismo, baixo peso ao nascer, déficits cognitivos, entre outros, dada a carência de iodo (encontrado no sal de cozinha).

De que maneira a nutrição funcional pode ajudar?

Vegana ou não, é importante avaliar e monitorar a alimentação materna antes e durante a gravidez e, se preciso, fazer alterações para melhorar a nutrição. Afinal, independentemente do regime alimentar existe uma relação direta entre dieta e saúde da mulher e do bebê.

Nessa hora, o acompanhamento de um nutricionista funcional faz toda a diferença. Esse profissional dá dicas de como devem ser as combinações alimentares, para potencializar a absorção dos nutrientes.

Além disso, prescreve suplementos orais, a fim de prevenir as deficiências nutricionais mais comuns. É o caso, por exemplo, do sulfato ferroso ingerido com uma fonte de vitamina C (fruta cítrica), para aumentar a absorção do ferro.

É possível manter a dieta vegana sem prejudicar a gravidez?

Com certeza. A grávida vegana — se bem nutrida e suplementada — pode ter uma gestação saudável e sem prejuízos ao crescimento e desenvolvimento do bebê. Dessa maneira, pode continuar se abstendo de produtos de origem animal, o que previne doenças cardiovasculares, diabetes, câncer, entre outras enfermidades. Mas, é imprescindível incluir consultas com o nutricionista funcional no acompanhamento pré-natal e seguir suas orientações à risca!

No Espaço Binah, cuidamos da alimentação das mulheres zelando pela individualidade de cada uma. Se estiver em Florianópolis e na região, entre em contato e agende uma consulta com nossa nutricionista funcional!

Nutricionista funcional do Espaço Binah CRN 10 3774

VEJA TAMBÉM

E-book: O guia da alimentação na gestação

Pensando nos “dilemas” nutricionais que mais afligem as grávidas, disponibilizamos um e-book prático e completo sobre o assunto. …
31 de janeiro, 2024

Chá na gravidez: qual é seguro para consumir?

Manter-se bem hidratada é uma das recomendações alimentares do pré-natal. Para variar a ingestão de água, muitas gestantes consideram…
31 de janeiro, 2024

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023