Saúde e Bem-estar

É possível ter parto normal após cesárea?

Assistência ao parto

É possível ter parto normal após cesárea?

cesariana é considerada uma cirurgia insubstituível para salvar a vida da mulher, do bebê ou de ambos. No entanto, alguns veem o procedimento, erroneamente, como uma alternativa ao parto normal. Há quem diga, também, que o parto normal após cesárea é impossível — o que não é verdade.

Neste artigo, desmistificamos o assunto e mostramos que o parto natural (termo mais adequado), salvo condições específicas, é viável mesmo após ter realizado uma cesariana. Para saber mais, continue a leitura!

Por que as taxas de cesárea são tão altas?

Desde 1985, profissionais de saúde de todo o mundo consideram que a taxa de cesariana ideal varia entre 10% e 15%. Mesmo assim, as cesarianas se tornaram mais frequentes, tanto em países desenvolvidos como nos em desenvolvimento.

Vamos aos fatos. A cesariana, quando justificada do ponto de vista médico, é eficaz na prevenção da morbimortalidade materna e perinatal. No entanto, não há benefícios para mulheres ou bebês para quem este procedimento não é necessário. A cesárea desnecessária, vale destacar, priva o bebê das vantagens do parto natural, tais como:

  • estímulo à primeira respiração;
  • colonização bacteriana saudável;
  • ativação hormonal;
  • fortalecimento do sistema imunológico;
  • adaptação cardiorrespiratória.

Além disso, como qualquer cirurgia, a cesárea está associada a riscos a curto e longo prazo. Esses, aliás, podem durar anos após a intervenção, afetando a saúde da mulher e do bebê, assim como as futuras gravidezes. Isso é particularmente frequente em locais com pouco acesso à assistência obstétrica integral.

Parto normal após cesárea é perigoso?

Não necessariamente. Porém, muita gente ainda acredita que a única escolha segura depois de uma cesariana é outra cesariana. Tamanha pressão social e médica influencia a opção da mulher por essa via de nascimento.

Assim, os mitos se perpetuam, apesar das evidências científicas provarem o contrário. O correto, para escolher com consciência, seria fazer uma prova de trabalho de parto após cesariana.

Enfim, o assunto é tão importante que existe até uma sigla em sua referência: VBAC (do inglês “vaginal birth after a cesarean delivery”, termo traduzido como “parto vaginal após cesárea”). A seguir, listamos os principais mitos referentes ao tal perigo do parto normal após cesárea. Confira!

Mito 1: uma vez cesárea, sempre cesárea

De acordo com o National Institute of Health and Care Excellence (NICE), o VBAC é uma escolha razoável e segura para a maioria das mulheres com cesariana anterior. O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) concorda, reforçando que a maioria das mulheres com uma (ou mais) cesariana(s) anterior(es) são boas candidatas ao VBAC.

Mito 2: VBAC aumenta o risco de ruptura uterina

Os fatores de risco para aumento na incidência de ruptura uterina intraparto são:

  • ter apresentado o problema na gestação anterior;
  • cesárea anterior com incisão uterina alta ou vertical.

Assim, independentemente do tipo de parto na gravidez atual, a ocorrência global de ruptura uterina em pacientes com cesariana prévia é baixa (aproximadamente, 0,3%). Já o risco de ruptura uterina após um corte transversal varia de 0,5% a 0,9%.

Mito 3: VBAC pode levar a complicações graves difíceis de controlar

Existe a ideia de que o parto normal após cesárea aumenta o risco de ter complicações graves, as quais não podem ser adequadamente controladas. Na verdade, o pré-requisito para tentar um parto natural é que ele seja assistido em uma maternidade com estrutura capaz de atender eventuais emergências obstétricas.

Mito 4: não é possível usar analgesia medicamentosa em VBAC

Outro senso comum é o de que não é possível usar analgésicos no VBAC porque a medicação esconderia a dor de uma eventual ruptura uterina. Mas, de acordo com a ACOG, as analgesias e as anestesias peridurais podem ser utilizadas com segurança, pois não mascaram a dor relacionada à ruptura.

Mito 5: os riscos da cesariana são os mesmos de qualquer cirurgia

A cesariana, como qualquer cirurgia, não é isenta de riscos. Esses incluem infecçãohemorragiadanos a órgãos adjacentestrombose venosa e, até mesmo, aumento da mortalidade materna.

No entanto, os riscos não param por aí. É preciso considerar, também, o impacto psicológico do procedimento. Na cesariana, há um aumento na incidência de depressão pós-parto e maior dificuldade na formação do vínculo afetivo, bem como no processo de aleitamento.

Existem, ainda, os problemas futuros. Quanto a eles, observa-se o aumento do risco de diminuição da fertilidade, placenta prévia, aderências e/ou obstrução intestinal, bem como parto prematuro.

Outro fator adverso é o efeito sobre a flora intestinal e cutânea do recém-nascido. Isso porque, o contato com a flora vaginal materna durante parto natural reduz o risco de desenvolver alergias, asma, obesidade e diabetes.

Mito 6: VBAC não pode (ou não deve) ser induzido

Eventualmente, podem surgir complicações durante a gestação. É o caso da pré-eclâmpsia ou do diabetes descompensado. Nesses quadros, muitas vezes, há necessidade de induzir o parto, mesmo no VBAC.

No entanto, a indução pode fazer a diferença entre ter um parto normal após cesárea ou uma cesariana de repetição. Segundo a ACOG, a indução é segura e deve ser feita com um cateter (do tipo utilizado para esvaziar a bexiga), seguido, se necessário, da administração de ocitocina.

Então, é seguro ter parto normal após cesárea?

Depende de cada caso! Como mostrado, os mitos conduzem, muitas vezes, a opções desvantajosas para a mulher, seu bebê e sua família.

O papel do obstetra é o de discutir, de forma clara e inteligível, todos os riscos e benefícios, tanto da cesárea eletiva, quanto do parto normal após cesárea. Após as explicações, deve-se fazer a escolha em conjunto com a cliente — que, em última instância, é que detém o poder decisório!

No Espaço Binah, somos especialistas em assistência humanizada ao parto, seja natural ou cesariana. Se ainda tiver dúvidas a respeito ou necessita de um agendamento individual para avaliar o seu caso, entre em contato com a nossa equipe de atendimento! Estamos à disposição!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023