Saúde e Bem-estar

É possível prevenir doenças nos ovários e útero?

Atualizado em: 23/06/23 | Dicas de saúde

É possível prevenir doenças nos ovários e útero?

A prevenção de doenças nos ovários e no útero segue as mesmas diretrizes da prevenção de enfermidades como um todo. Dessa forma, baseia-se na combinação de hábitos de vida saudáveis, idas às consultas ginecológicas periódicas e, em caso de problemas, diagnóstico precoce e tratamento imediato.

Neste artigo, mostramos os comportamentos de risco e demais fatores relacionados às doenças ovarianas e uterinas mais comuns. Explicamos, também, como prevenir sua ocorrência ou, pelo menos, seu agravamento. Confira!

Quais são as causas das doenças ovarianas e uterinas?

As causas das doenças nos órgãos reprodutivos femininos são múltiplas. Muitas delas têm relação com alterações hormonais, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP), os miomas uterinos (ou miomas cervicais) e os cistos ovarianos.

Outras, por sua vez, estão relacionadas a comportamentos de risco, como infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) adquiridas em relações sexuais sem o uso de preservativos. Entre essas doenças, destaca-se a doença inflamatória pélvica (DIP), uma infecção polimicrobiana. As principais causas da DIP não tratada são as bactérias Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis, ambas transmitidas sexualmente.

Já no caso do câncer de ovário, a ocorrência pode ter relação com tratamentos hormonais. É o caso da terapia hormonal após a menopausa e dos tratamentos de fertilização in vitro (FIV). Outros fatores possivelmente relacionados são:

  • avanço da idade;
  • obesidade;
  • histórico reprodutivo tardio (primeiro filho após os 35 anos);
  • histórico familiar de câncer de ovário, colorretal ou mama;
  • histórico pessoal de câncer de mama;
  • presença de certas síndromes hereditárias e genes específicos.

Já o câncer de colo do útero, por sua vez, tem relação com diversos comportamentos de risco. É o caso da infecção pelo HPV (papilomavírus humano), múltiplos parceiros sexuais, parceiro sexual de alto risco (por exemplo, alguém com múltiplos parceiros, histórico de ISTs anteriores etc).

Há, também, o impacto do tabagismo, pois as toxinas presentes nos cigarros prejudicam o sistema imunológico, deixando-o menos eficiente no combate às ISTs. Além disso, existe a influência da alimentação, uma vez que uma dieta pobre em nutrientes essenciais aumenta as chances de desenvolver a doença.

Outros fatores de risco, possivelmente, associados à neoplasia de colo uterino são:

  • imunossupressão, o que faz com que lesões pré-cancerígenas evoluam mais rápido;
  • primeira gestação com menos de 20 anos;
  • histórico de neoplasia intraepitelial escamosa vulvar ou vaginal (a infecção por HPV também é a etiologia da maioria dos casos dessas condições).

Por fim, existem as enfermidades nos ovários e útero cujas causas não são bem estabelecidas. É o caso da: endometriose e da adenomiose.

Como prevenir a ocorrência de doenças nos ovários e útero?

A melhor forma de prevenir a ocorrência de doenças nos ovários e útero é aderir às recomendações dos especialistas para manter uma boa saúde geral. Entre elas, incluem-se medidas como:

  • manter uma alimentação saudável e equilibrada;
  • praticar atividades físicas regularmente;
  • reduzir o estresse e buscar formas de relaxamento;
  • garantir uma boa qualidade de sono;
  • parar de fumar para preservar a saúde;
  • utilizar preservativos nas relações sexuais como forma de prevenção;
  • evitar a automedicação e seguir corretamente as prescrições de medicamentos e suplementos;
  • tratar o sobrepeso, obesidade e outras condições de saúde associadas, como hipertensão e diabetes;
  • realizar consultas ginecológicas periódicas e fazer os exames de rotina recomendados, como o teste de HPV e o exame de Papanicolau.

Por que os check-ups ginecológicos são tão importantes?

check-up ginecológico permite identificar eventuais alterações no sistema reprodutor feminino em estágios iniciais, muitas vezes, antes de provocarem sintomas. Isso possibilita o tratamento em tempo oportuno, o que o torna mais simples e efetivo.

Dessa forma, o acompanhamento ginecológico de rotina deve começar com a menarca ou antes da primeira relação sexual e se manter ao longo da vida da mulher. A primeira visita, geralmente, é voltada para a obtenção de informações sobre saúde reprodutiva, prevenção de doenças e aconselhamento sobre métodos contraceptivos. Depois, a frequência das consultas e os tipos de exames vão sendo adaptados a cada fase.

Outros aspectos muito importantes das idas regulares às consultas ginecológicas são às orientações quanto aos hábitos de vida. Como mostrado, certos comportamentos têm relação com o desenvolvimento de doenças nos ovários, útero e outros órgãos e estruturas próximas, necessitando ser corrigidos.

Mas, apesar das vantagens do check-up ginecológico regular serem inquestionáveis, em meio à “correria”, muitas mulheres negligenciam os cuidados com a própria saúde. Você sabia que os cânceres de colo uterino e de ovário respondem por cerca de 40% de todas as neoplasias diagnosticadas nas brasileiras? Isso faz deles o primeiro e o segundo tipos mais incidentes.

No caso desses tumores, a demora na detecção é a grande responsável pelos elevados índices de mortalidade. No entanto, o diagnóstico precoce potencializa as chances de cura dessas e de outras enfermidades. Isso faz com que reservar um tempinho na agenda para ir ao ginecologista valha muito a pena!

Portanto, para prevenir o desenvolvimento de doenças nos ovários e útero, bem como outros distúrbios de saúde, adote um estilo de vida saudável. Além disso, visite seu médico e faça os exames periódicos. Dessa forma, mesmo que haja alguma alteração, as chances de identificá-la de maneira precoce e tratar o problema sem maiores complicações aumenta consideravelmente!

Em caso de dúvidas, entre em contato. A equipe do Espaço Binah está à disposição!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

E-book: O guia da alimentação na gestação

Pensando nos “dilemas” nutricionais que mais afligem as grávidas, disponibilizamos um e-book prático e completo sobre o assunto. …
31 de janeiro, 2024

Chá na gravidez: qual é seguro para consumir?

Manter-se bem hidratada é uma das recomendações alimentares do pré-natal. Para variar a ingestão de água, muitas gestantes consideram…
31 de janeiro, 2024

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023