Saúde e Bem-estar

AMIU: o que é e como é feito

Atualizado em: 29/11/22 | Ginecologia, Obstetrícia

AMIU: o que é e como é feito

O método AMIU (aspiração manual intrauterina) é empregado no tratamento ambulatorial do abortamento retido ou incompleto. Esse pode ser espontâneo ou induzido (no Brasil, autorizado legalmente em situações específicas). Nesse caso, basicamente, é permitido para vítimas de estupro, quando há risco de morte materna ou quando o feto é anencéfalo.

Neste artigo, explicamos o que é, para que serve e como é feito o procedimento, bem como quanto tempo depois da AMIU vem a menstruação. Para esclarecer essas e outras dúvidas, continue a leitura.

O que é e para que serve a AMIU?

A AMIU é um procedimento cirúrgico realizado, geralmente, no primeiro trimestre de gestação. Trata-se de uma técnica simples, segura e rápida, com baixas taxas de complicações, que serve para promover o esvaziamento uterino. Por isso mesmo, é considerada a primeira escolha da Federação Internacional de Ginecologistas e Obstetras (Figo) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) para tratar abortamentos.

A aspiração manual intrauterina é feita em ambiente ambulatorial devidamente equipado, após confirmada a perda gestacional. Essa, como mencionado, pode ser espontânea ou induzida por medicamentos específicos (misoprostol).

Quais são as principais contraindicações?

Considera-se como contraindicação à sua realização condições anatômicas que impossibilitem o acesso à cavidade uterina. É o caso, por exemplo, da presença de miomas de grande porte.

Além disso, mulheres com gestações acima de 12 semanas não devem ser submetidas ao método. O mesmo vale para aquelas com dilatação cervical maior do que 12 mm.

Como a aspiração manual intrauterina é realizada?

Primeiramente, é preciso avaliar a indicação para o procedimento. Para isso, o médico faz uma anamnese detalhada, realiza exames físicos e solicita um ultrassom pélvico. Por vezes, pode solicitar, também, avaliações cardíacas e pulmonares.

Confirmada a indicação, a AMIU é feita sob anestesia local e sedação ou somente a sedação, com recomendações individualizadas para o controle da dor. O método consiste na inserção de uma cânula conectada a uma seringa a vácuo, para aspiração do conteúdo intrauterino.

As cânulas são estéreis, descartáveis e flexíveis, com pontas arredondadas e cujos diâmetros variam de 4 mm a 12 mm. Assim, pode-se aspirar o conteúdo intrauterino.

O procedimento acaba quando a aspiração termina. Isso é constatado pelo médico, ao notar:

  • a ausência de ovulares na cânula;
  • a presença de uma espuma levemente rosada;
  • a sensação de aspereza da superfície do endométrio;
  • e/ou o enluvamento (contração do útero em torno da cânula).

Vale destacar que, para evitar infecções, a paciente recebe a profilaxia antibiótica antes do procedimento. Ao término, ela permanece um breve período (de 20 a 30 minutos) em observação. Em seguida, é liberada para ir para casa, sem necessidade de internação.

A exceção são mulheres que se encontram instáveis e/ou apresentam outras condições médicas, como insuficiência cardíaca, anemia grave, etc. Nesses casos, a internação se faz necessária.

Por que o procedimento é considerado superior à curetagem uterina?

Segundo a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), na curetagem uterina, corre-se um maior risco de deixar vestígios na cavidade uterina. Além disso, podem ocorrer complicações como:

  • perfuração e, posteriormente, um quadro de endometrite;
  • alterações estruturais do colo uterino, devido à dilatação cervical, aumentando as chances de novas perdas gestacionais;
  • aderências entre as paredes do útero, dificultando uma futura concepção; entre outras alterações.

Tudo isso, sem falar no maior desgaste físico e emocional. A AMIU, por outro lado, reduz os riscos, bem como o tempo de permanência hospitalarmelhorando a qualidade da assistência à paciente submetida ao procedimento.

Quanto tempo depois da AMIU vem a menstruação?

Essa é uma dúvida muito frequente. Após realizar uma AMIU, é esperado que o organismo demore algumas semanas para se recuperar. Em média, o ciclo menstrual costuma levar de quatro a seis semanas para voltar ao normal.

No entanto, a fertilidade pode retornar mais rápido, em torno de dez dias. Sendo assim, caso não pretenda engravidar tão cedo, é necessário adotar métodos contraceptivos.

O ginecologista responsável irá indicar as formas de contracepção mais adequadas. Na maioria das vezes, isso é feito em seguida ao procedimento, com o objetivo de prevenir gravidezes indesejadas. Já se o intuito for tentar engravidar, a conversa com o especialista é direcionada ao planejamento gestacional, não havendo necessidade de esperar meses para engravidar novamente.

Onde realizar o procedimento em Florianópolis?

No Espaço Binah, localizado em Florianópolis, realizamos a AMIU e diversos outros procedimentos ginecológicos e obstétricos. Aqui, tudo é feito com a máxima segurança, humanização e conforto (físico e emocional). Para isso, contamos com um corpo clínico interdisciplinar e especializado na saúde da mulher!

Caso haja alguma dúvida sobre o assunto, sinta-se à vontade para entrar em contato. Aproveite, também, para seguir o Binah no Facebook e Instagram!

Ginecologista, obstetra e diretor técnico do Espaço Binah - CRM/SC 13.883 | RQE: 9909

VEJA TAMBÉM

Existem alimentos que ajudam na saúde íntima?

Sim! Existem alimentos que ajudam na saúde íntima feminina, atuando na prevenção de infecções, alívio de cólicas menstruais, entre outros…
29 de dezembro, 2023

A importância do aleitamento materno para o bebê

O aleitamento materno oferece toda nutrição que o bebê necessita para crescer pleno e saudável. Por isso, recomenda-se que a amamentação de nascidos a…
29 de dezembro, 2023

Quanto tempo dura o puerpério e quais as mudanças esperadas?

Algumas pessoas ficam em dúvida sobre quanto tempo dura o puerpério. Trata-se do período que corresponde aos primeiros 40 dias após…
29 de dezembro, 2023